sábado, 28 de maio de 2011

O CHORO DA CHUVA

Se hoje chove,
é porque você se foi...
Culpo a sua ausência
por essa tempestade...
Permanece chovendo:
você não voltará...

O sol brilhando
não é o seu retorno...
Apenas, por um momento,
esqueci que você se foi...

Em cada lembrança,
uma chuva fina cai no jardim...
Em cada tempestade,
é você no meu pensamento...
Entre sol e chuva,
você se vai, se vai, se vai...
    

sábado, 21 de maio de 2011

TULIPAS

Das tulipas, a sua elegância:
diversidade colorida
com o seu modelo padrão;
elegância por toda a vida
assumindo forma de lança
que só é arma para o coração.
   

sábado, 14 de maio de 2011

V. I. P.

Depois de receber o convite
de um dos meus 864 amigos da internet,
onde desconheço o nome de 98,7%,
vestirei minha melhor roupa
e irei ao shopping center
assistir à submissão humana
ao consumismo egoísta e medíocre.
— Tudo isso de camarote.
   

sábado, 7 de maio de 2011

JARDIM DA AUSÊNCIA

Vou preparando a terra
e fazendo meus planos,
triste, como quem erra;
Vou organizando espaços
e trazendo mudas verdes
juntamente com os jarros;
vou regando esse chão
com frequência diária,
como se fosse uma oração;
vou fazendo o necessário
e você sequer aparece
pois, diz não ter horário.

Você não dar o ar da graça
mas todo mundo que passa
me faz uma vaga saudação
ou uma palavra de aprovação;
o jardim prestes a florescer,
eu aqui, mas falta você;
o jardim, enfim, florido
e o meu coração, colorido.

Muitos falam do jardim,
mas só falam por falar
isso nem importa pra mim;
eu continuo nessa reza
e o tempo vai passando,
passando tão depressa;
o meu jardim vai morrer,
faltou-me água no verão
não tenho mais o que fazer;
meu esforço não adiantou,
o jardim entristecia todos,
até você mesma chorou.

Mas, se poupe do ridículo
com lágrimas de crocodilo;
o seu preciosíssimo tempo
não foi meu nenhum momento,
vá chorar noutra freguesia
como fez todos os dias;
o jardim de minha presença
é o jardim de sua ausência.