sábado, 25 de junho de 2011

INVISÍVEIS

Eles são anônimos e invisíveis,
para muitos, não são nem gente:
são apenas bichos desprezíveis,
sempre insistindo em sobreviver
nas piores condições possíveis.

Eles nascem e morrem na cidade,
mas ninguém percebe suas vidas;
Eles só são vistos na sociedade
quando a miséria manda no jogo,
e eles entram na criminalidade.

A invisibilidade faz a solidão,
silenciando os gritos de pranto
entre a hipocrisia da multidão;
os corpos solitários se abrigam
na fome, drogas e prostituição.

Não há escolha, terão que viver
sob a mira da solidão profunda;
mas, quem vive não quer perder,
e eles, um dia, serão visíveis,
pois é melhor matar que morrer.
   

sábado, 18 de junho de 2011

DEVERIAS TER ME PEDIDO...

Se você quisesse
ter algo de mim,
então, que dissesse:
é simples assim.

Deverias ter me pedido,
eu daria meu coração;
deverias ter me prendido,

eu ficaria na prisão,
e não terias me perdido
em uma amarga ilusão.

Mas, se, por acaso,
você me quiser,
eu não farei caso
em ser sua mulher.
    

sábado, 11 de junho de 2011

ALERTA

As sirenes gritam alto,
o que será? Um assalto?
O sangue pelo asfalto
deve ser um bom arauto.
   

sábado, 4 de junho de 2011

TODO MUNDO QUER DAR CONSELHOS SEXUAIS


É muito fácil falar de fome
quando se está bem alimentado
ou quando se tem sobrenome.

É prazeroso relatar as mazelas
quando se está no condomínio
que tem a vista para a favela.

É essencial ter muitos amigos
quando se está ocupado demais
pensando no próprio umbigo.

É importante seguir uma meta
quando se está na felicidade
e não há o fardo de ser poeta.