sábado, 27 de abril de 2013

Dois poemas de João Cabral de Melo Neto


O MAR E O CANAVIAL

O que o mar sim aprende do canavial:
a elocução horizontal de seu verso;
a geórgica de cordel, ininterrupta,
narrada em voz e silêncio paralelos.
O que o mar não aprende do canavial:
a veemência passional da preamar;
a mão-de-pilão das ondas na raia,
moída e miúda, pilada do que pilar.

*

O que o canavial sim aprende do mar:
o avançar em linha rasteira da onda;
o espraiar-se minucioso, de líquido,
alagando cova a cova onde se alonga.
O que o canavial não aprende do mar:
o desmedido do derramar-se da cana;
o comedimento do latifúndio do mar,
que menos lastradamente se derrama.



                                                                O CANAVIAL E O MAR

                                                                1

                                                                O que o mar sim ensina ao canavial:
                                                                o avançar em linha rasteira da onda;
                                                                o espraiar-se minucioso, de líquido,
                                                                alagando cova a cova onde se alonga.
                                                                O que o canavial sim ensina ao mar:
                                                                a elocução horizontal de seu verso;
                                                                a geórgica de cordel, ininterrupta,
                                                                narrada em voz e silêncio paralelos.

                                                                2

                                                                O que o mar não ensina ao canavial:
                                                                a veemência passional da preamar;
                                                                a mão-de-pilão das ondas na areia.
                                                                moída e miúda, pilada do que pilar.
                                                                O que o canavial não ensina ao mar:
                                                                o desmedido do derramar-se da cana;
                                                                o comedimento do latifúndio do mar,
                                                                que menos lastradamente se derrama.


A partir desse 3º ano de blog, decidi que nem todo sábado será de caju. Esporadicamente alimentarei o blog através do marcador “Outros Autores”, cuja estreia ocorreu mesmo antes desse planejamento, com a publicação de Três poemas de D.Everson (28/07/2012).

sábado, 20 de abril de 2013

CONTRADIÇÕES COERENTES


X

Multiplico
meu dinheiro:
fico rico
por inteiro.

Diminuo
a felicidade:
continuo
pela metade.
       

sábado, 13 de abril de 2013

YOGA


cristina e paula
paula e tina
na minha mente
paula-tina-mente
   

sábado, 6 de abril de 2013

ENCONTRO DE POETAS


Os poetas estavam reunidos
e todos queriam ser ouvidos.
Alguns falaram das suas musas,
da elaboração dos seus poemas
e da métrica que mais usa;
todos falavam dos problemas.
— Eles querem os holofotes
para divulgar os seus motes.
  
Apesar da mesma profissão,
não tinham nenhuma comunhão.
“Já não se sabe mais rimar!”,
“Mas para quê ter melodia?
O importante é comunicar!”
“Escrever não é uma terapia...”.
— Como são tolos esses poetas,
acreditam que são profetas.

O encontro tomou outro caminho
crescendo o consumo de vinho.
Alguns ficavam excitados,
dois ou três apenas choravam;
quando estavam embriagados
todos eles se consolavam.
— Esqueciam que eram solitários
no papel de irmãos solidários.

Depois que terminou a bebida
ainda refletiam sobre a vida.
“Qual o motivo de escrever?”,
“Por que nós escrevemos tanto?”,
“Será que alguém vai querer ler
o nosso solitário canto?”.
— Todos estavam inseguros
sem perspectiva de futuro.

Chegou o momento de partir
todos foram se despedir.
Mesmo sem poder beber mais,
alguns tomavam a saideira;
desejavam votos de paz
e permanência na carreira.
— Pena que nenhum terá a sorte
para ser lido antes da morte.