sábado, 29 de junho de 2013

Vídeo — MARINHO / CELESTE

sábado, 22 de junho de 2013

ABECÊ


Uma chuva me pesa nas costas enquanto subo a ladeira. Vou ouvir Lula Côrtes. Drummond, Antonio Cicero e Bandeira: um verso de cada (não necessariamente nessa ordem) me surge na cabeça. Fiz um almoço excedente para a janta. Depois do banho eu como e ponho Desengano na agulha; folheio pelo menos um dos três poetas e priu. Plano perfeito.
Comi com o televisor ligado e tudo foi pelos ares. Vi, ao vivo, o senhor Guilherme Boné dando dica para dedurar manifestantes à polícia. Horário nobre da tevê aberta, na mesma emissora que ensinou maniqueisticamente — e colocando duas palavras na moda para os poetinhas dos anos 10 — o que era “vandalismo” e “pacifismo” em protestos. Cochicho para mim mesmo: a revolução não será televisionada, relaxa.
Na minha cidade, que pode ser qualquer outra, estava lado a lado e imensamente distante daqueles que dias atrás riam dos meus sonhos, arqueavam sobrancelhas às minhas escolhas de vida e olhavam-me meio de lado. Meu ódio de classe estava pulsante, mas domei-o: talvez haja trigo entre o joio. Sempre há?
A lição foi muito bem passada e muito bem aprendida. O hino nacional virou palavra de ordem e com muito orgulho, com muito amor nos unimos para jamais sermos vencidos. Um horário eleitoral às avessas, as cobranças eram tão vagas quanto às promessas do guia bienal. Os cartazes e os coros entoados eram baseados no que consumimos: Facebook & propagandas.
A não ser dentro de mim, na minha cidade não chove mais, mas ainda é noite. Eu preciso dormir para continuar na vigília, porque os conservadores estão descaradamente se ressignificando para manter o status quo. É preciso manter-se sensível. Por mais que eles se reposicionem e se esforcem, neles a poesia nunca fará morada.
    

sábado, 15 de junho de 2013

SAIDEIRA


Acho que chegou a minha hora,
não sou o mesmo de outrora,
por isso, eu devo ir embora,
mas, antes um pedido: devora.
  

sábado, 8 de junho de 2013

Dois poemas de Affonso Romano de Sant’Anna


O LEITOR E A POESIA

Poesia
          não é o que o autor nomeia,
          é o que o leitor incendeia.

          Não é o que o autor pavoneia
          é o que o leitor colhe à colmeia.

          Não é o ouro na veia,
          é o que vem na bateia.

Poesia
          não é o que o autor dá na ceia,
          mas o que o leitor banqueteia.



                                                                   LINGÜÍSTICA

                                                                   Diz o lingüista:
                                                                   — “a palavra cão não morde”.
                                                                   Morde.
                                                                   Saí com a perna sangrando após a aula.

                                                                   Diz o lingüista
                                                                   — “a palavra cão não late”.
                                                                   Late
                                                                   E não me deixa dormir
                                                                   com seus latidos.

                                                                   Diz o linguista
                                                                   — “a palavra cão não come”.
                                                                   Come
                                                                   e se alimenta de minha carne.
    

sábado, 1 de junho de 2013

COMO “O BICHO” DE BANDEIRA


Um homem aflito,
sem luxo, no lixo;
às vezes reflito:
és homem ou bicho?

Não deixa nenhuma pista
nos lugares onde passa;
não é belo para a vista,

nele só se vê desgraça;
pois a sua condição é mista:
irrelevante e ameaça.

São todos visíveis
— isso nunca nego —,
nada de invisíveis:
nós que somos cegos.