sábado, 30 de novembro de 2013

HISTÓRIA DE AMOR


Imerso em seu mundo particular,
de repente, uma interrupção:
era só o amor batendo na porta
e implorando um lugar no poema.

Que fique com poucos poemas
e dê o ar da graça em mais alguns,
e que vá se arrumando por si só
na bagunça do mundo que foi criado.
   

sábado, 23 de novembro de 2013

Dois poemas de Alberto da Cunha Melo


SCHOPENHAUER

Para cada sonho uma lápide
sóbria como o próprio cortejo,
depois disso, treinar seu cão
para morder qualquer desejo;

rasgada a farda da alegria
que, na batalha, o distraía,

agora a dor, em tempo célere,
pode estender, com dignidade,
sua cólera à flor da pele,

para sarjar com sua lança
tantos tumores da esperança.


                                                                         CASA VAZIA

                                                                         Poema nenhum, nunca mais,
                                                                         será um acontecimento:
                                                                         escrevemos cada vez mais
                                                                         para um mundo cada vez menos,

                                                                         para esse público dos ermos
                                                                         composto apenas de nós mesmos,

                                                                         uns joões batistas a pregar
                                                                         para as dobras de suas túnicas
                                                                         seu deserto particular,

                                                                         ou cães latindo, noite e dia,
                                                                         dentro de uma casa vazia.

sábado, 16 de novembro de 2013

CARTÃO POSTAL


Esse cartão postal
não revela a beleza
de nenhum litoral,

fotografa a pobreza
daqueles que não comem,
que vivem sem certeza

de ser bicho ou homem,
pois só têm o direito
da fome no abdômen:

prova-se, com efeito,
ninguém deseja ver
nenhum dos seus defeitos.

Difícil descrever
o verdadeiro rosto
que tentam esconder,

pois tudo é o oposto
— do que querem mostrar —
das linhas do bom gosto;

fácil acreditar
nas mais belas paisagens,
sem ao menos notar

que tanta maquilagem
deixa a realidade
totalmente à margem.

No mapa da cidade
tudo funcionava,
mas não era verdade:

ali, o caos reinava
com homens oprimidos
que a fome matava

ou fazia-os bandidos
por um pouco de pão;
são heróis corrompidos

da civilização
falsa e artificial
impressa no cartão.
     

sábado, 2 de novembro de 2013

O PAPEL DA VIDA


Sobre um pedaço de papel
eu alcanço o alto do céu,
um frágil e simples pedaço
me deixa forte como o aço.
Nele, que a água destrói,
é que a vida se constrói;
nele, que o fogo consome,
é que eu deixo o meu nome;
nele, que o vento carrega,
a minha vida se entrega;
nele, que tua mão amassa
é onde minha vida passa;
nele, rejeitado, ao chão,
ponho todo o meu coração.
O papel que você guarda
da carta que lhe agrada
ou o que você joga fora,
é o mesmo em que outrora
fiz um verso sem medida
te chamando para a vida.